quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

HOMESCHOOLING - ENSINO DOMICILIAR

Hoje tropecei num blog cujo tema é sensacional. Sempre pensei na possibilidade de ensinar meus futuros filhos em casa como remota e ilegal. Descobri que não é, em Portugal!

Um curso ou uma escola seguem o ritmo e a intensidade que eles julgam mais apropriados. Alguns optam por um ritmo mais intenso, que realmente dê tempo de ensinar com bastante profundidade, que acostume o aluno a absorver muito de cada vez. O problema é que nem todos estão aptos a seguir nessa rapidez, por N dezenas de motivos diferentes. E é por isso que muitas instituições decidem estabelecer um ritmo tranquilo, muitas vezes lento mesmo. Isso também causa problemas de desatenção, afinal uma hora e meia para discutir uma coisa que poderia ter sido feita em 20 ou 30 minutos...

È um tema complicado de se discutir quando se pensa dentro de uma só escola. Não há muito o que fazer, a não ser definir de que lado estarão. Afinal, como um colégio ofereceria duas turmas de segundo ano: uma em que as aulas duram 30 minutos, outra em que as aulas duram uma hora e quarenta? Tenho a impressão de que geraria mais polêmica do que satisfação. É não pra menos.

De qualquer forma, para quem se interessa pelo tema, eu sugiro o blog português
o link já cai direto num artigo relacionado a TDAH.

Obviamente não deve ser barato trazer a escola até a casa. Não sei de quanto estamos falando, mas vou me informar sobre o assunto.

Abraços,
Juliana

2 comentários:

  1. Oi Juliana,
    Daqui Paula, do blogue Aprender sem Escola.

    Os custos financeiros dos materiais necessários para o ensino doméstico variam muito - os pais decidem o que gastar, dependendo das possibilidades. Normalmente o maior custo é o de um salário perdido. Nas famílias que praticam o ensino doméstico é normal um dos pais ficar encarregado da educação dos filhos. Isso geralmente significa que não terá muito tempo disponível para o trabalho remunerado. Contudo, como cada vez mais pessoas trabalham em casa, este não é o único cenário. Na verdade, há famílias onde ambos os pais conseguem trabalhar, como por exemplo quando trabalham por conta própria a partir de casa. Nesta situação, com uma programação criativa, os pais podem adoptar o papel de "professor" do ensino doméstico e ter também outro emprego.

    Visualizar também:

    http://aprendersemescola.blogspot.com/2009/01/custo-do-ensino-domestico.html

    http://aprendersemescola.blogspot.com/2009/03/pratica-do-ensino-domestico.html

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Paula. Parece muito interessante mesmo. Vou olhar os links! Mas acho que os pais que optam por esse tipo de ensino não podem se esquecer de que a criança precisa de contato com o mundo externo, com outras crianças, outras autoridades, etc. Certo?
    Um abraço,
    Juliana

    ResponderExcluir